02/03/11 | 3:37 PM
Cadastramento tem boa aceitação dos barqueiros e será feito até o dia 15 na Semmas

Para as pessoas que não são donas de embarcações é bom lembrar que o cadastramento é para evitar problemas futuros. Recomendamos aos donos de iates que também procurem se informar e se cadastrar. Vale ressaltar que nosso interesse não é de excluir ninguém, mas exercer o controle efetivo sobre na gestão da reserva”, afirmou Dutra.

O cadastramento de donos de barcos e agências de viagens que fazem o transporte de visitantes para a Praia do Tupé, na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Tupé, se estenderá até o próximo dia 15 de março. O primeiro dia de cadastro recebeu seis donos de embarcações, que vieram até a sede da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas) para fornecimento das informações necessárias ao controle da visitação à reserva. Até o final da manhã desta quinta-feira, nenhuma agência de turismo ainda havia procurado a secretaria, que é responsável pela gestão da reserva. “As agências são importantes porque  possuem pacotes que incluem a Praia do Tupé nos seus roteiros e o turismo explorado de maneira correta é uma ferramenta importante para a sustentabilidade”, lembrou o secretário municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Marcelo Dutra.

O secretário ressaltou que o objetivo do cadastramento é dar início ao processo de implementação do Regulamento de Uso da Praia, um dos instrumentos de gestão da RDS. “Durante o período de seca, as comunidades da reserva (são seis), principalmente a São João do Tupé, recebe uma quantidade muito grande de barcos, entre recreios, barcos regionais e iates particulares, que precisam atender as necessidades ambientais previstas em lei, para estarem lá, no que se refere, por exemplo, a uso de equipamentos sonoros, número de pessoas transportadas, tratamento de efluentes das embarcações, tempo de permanência, tudo isso permite avaliar o impacto e qual o limite máximo que a praia suporta o que garante a segurança jurídica e ambiental da reserva”, afirmou.

Os donos de embarcações e de agências de turismo deverá comparecer à sede da Semmas  para preencher um questionário com informações sobre as atividades que desenvolvem, incluindo freqüência de visitas, estimativa de pessoas transportadas, dias, horários, tipo de embarcação, entre outras informações. Somente dessa forma, ele estará habilitado a realizar as visitas, mediante agendamento prévio.  Marcelo Dutra lembra que a fiscalização funcionará o ano inteiro e contará com o apoio da Polícia Militar, por meio do Batalhão Fluvial, e da Capitania dos Portos. “Temos servidores lotados na reserva e que prestam expediente lá  e a fiscalização é alertada pela própria população da comunidade. Para as pessoas que não são donas de embarcações é bom lembrar que o cadastramento é para evitar problemas futuros. Recomendamos ao  donos de iates que também procurem se informar e se cadastrar. Vale ressaltar que nosso interesse não é de excluir ninguém, mas exercer o controle efetivo sobre  na gestão da reserva”, afirmou Dutra.