Parques e Praças

PARQUE DOS BILHARES

O Parque dos Bilhares é um parque urbano localizado em Manaus, às margens do igarapé do Mindu, tendo como limites as avenidas Djalma Batista e Constantino Nery e os igarapés do Mindu e da Cachoeira. Foi inaugurado no dia 24 de outubro de 2006, pela Prefeitura de Manaus, data de aniversário da cidade, com o objetivo de oferecer lazer à população e, ao mesmo tempo, preservando o meio ambiente.

Atrações

Rádio Parque

Instalada no espaço destinado ao apoio administrativo, possui equipamentos doados pelo Centro Universitário do Norte (UniNorte). Divulga todas as programações do parque, prestando serviços de utilidade pública e ainda uma vasta programação musical que irá divulgar os artistas da nossa cidade.

Biblioteca


Equipada com computadores conectados à internet e um grande acervo de livros infantis, tornando realidade a inclusão digital das crianças, além de estimular o hábito de leitura, servindo como espaço educativo e cultural. Funciona em parceria com o Serviço Social da Indústria (Sesi).

Quadras poliesportivas



Duas quadras poliesportivas em concreto (22x36m) e uma de areia, cercadas e iluminadas que oferecem lazer aos usuários, além de ser um espaçamento da Av. Constantino Nery em relação à Praça da Fogueira, que auxilia na dispersão dos sons veiculares.

Lago


Possui um deque elevado e jatos d’água (chafarizes), auxiliando na oxigenação deste, conferindo um valor estético, estimulando a contemplação e até mesmo o lazer ativo, servindo de pano de fundo ao teatro de arena. Possui diversas espécies de peixes e quelônios.

Pista de skate


Foi instalada amparada nas constatações sobre a força vitalizadora do skate, que congrega em sua tribo/esporte as mais diversas faixas etárias, que se utilizam deste de maneira continua e constante.

Passarela


As duas áreas (leste e oeste) foram ligadas por meio de uma ponte metálica de 72 m de extensão, locada na cota 31, sob a ponte citada, estabelecendo um eixo de contato entre as mesmas e seus equipamentos, servindo de passagem para pedestres e ciclistas.

Playgrounds


Espaços criados especialmente para a diversão das crianças, um no lado leste e dois no lado oeste, são amplamente utilizados, compostos por balanços, gira-gira, gangorras e escorregadores. Foram confeccionados em madeira de reflorestamento, aliando o conceito temático ao ecológico.

Praça da Fogueira


Esta praça com seu espaço aberto, suas arquibancadas e suas luminárias, dispostas ao redor da base para a fogueira, pretende valorizar a característica folclórica regional, funcionando, também, como uma extensão da área para artesanato. Funciona diariamente de 16h às 24h, e nos finais de semana até às 2h. Oferece diversos tipos de bebidas e petiscos, além de pizzas, açaí e caldos. Música ao vivo às sextas e sábados.

Gastronomia


Estação de Sorvete Glacial. Oferece sorvetes de vários sabores, com foco nas frutas regionais.

Tacacaria


Espaço destinado à comercialização de comidas regionais, como tacacá, tapiocas, bolinhos de macaxeira, açaí, e outras.

Anfiteatro


Responde como atração cultural e de contemplação, por estar localizado no lado leste, próximo ao acesso pela av. Djalma Batista. A massa arbórea disposta na região possui função de barreira sonora, compondo uma moldura ao envolvê-la por três lados, criando uma atmosfera lúdica, tendo como cenário de fundo, a lagoa.

Área para artesanato

Para barracas móveis de artesanato e outras diversidades, contígua à Praça da Fogueira. Pensa-se na estipulação de um período para este acontecimento, podendo o mesmo funcionar como área de apoio em ocasiões de festas folclóricas e outras.

PARQUE LAGOA DO JAPIIM

Quem visita o Parque Municipal Lagoa do Japiim pode se tiver sorte, contemplar uma tartaruga que se deixa ficar ao sol no final de tarde ou se proteger do mesmo com as sombras oferecidas pelas seringueiras espalhadas na pista de caminhada. Construído em uma área de 41 mil metros quadrados, o equivalente a quatro hectares ou a quatro campos de futebol, o parque que custou aos cofres públicos mais de R$ 6 milhões, só agora pode, de fato, ser frequentado.

Cercado por vários conjuntos habitacionais como Japiim 1 e 2, Suframa, e próximo de bairros como Japiinlândia, Coroado, Petrópolis, Raiz, São Francisco e Distrito Industrial, O parque foi construído há cinco anos no bairro cujo nome homenageia o japiim, passarinho encontrado com frequência quando a área foi ocupada para a construção do conjunto habitacional, na década de 70. O parque, segundo a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas), mantém remediado o problema do mau cheio oriundo do acúmulo de matéria orgânica no lago. A proposta é tratar o problema na raiz, com a execução de obras na Estação de Tratamento de Efluentes (ETE), visando melhorar a qualidade da água e com isso melhorar a permanência das pessoas no local.

 

PRAÇA DA SAUDADE

 

 Revitalizada em 2010, a Praça da Saudade é o mais novo logradouro histórico a ser devolvido para a população de Manaus. Construída há mais de 100 anos, a Praça havia sofrido diversas intervenções ao longo das décadas, sendo totalmente descaracterizada. Para a sua revitalização, foi recuperado o seu traçado original, onde diversas linhas, de todos os cantos da Praça, levam diretamente ao monumento central de Tenreiro Aranha, primeiro presidente da Província do Amazonas, sustentado de maneira imponente em um grande altar de mármore adornado com escudos de bronze.

Apesar de relativamente pequena, a Praça da Saudade é um local extremamente agradável que, rodeado por árvores e jardins que exibem centenas de flores amarelas, tornou-se um ponto bastante frequentado no centro de Manaus. É possível fazer uma rápida refeição em uma das duas lanchonetes instaladas no local, ou simplesmente ler um livro sentado em um dos seus vários bancos. Além disso, por estar localizada em uma área sem prédios altos, é o melhor local no centro da cidade para se observar o céu durante o entardecer.

Em frente à Praça, está o prédio do Atlético Rio Negro Clube, um dos times de futebol do estado. No local, há cerca de cem anos atrás, existia um cemitério, daí o nome popular da Praça.