25/09/19 | 12:22 PM
Projetos sustentáveis recebem apoio da Prefeitura de Manaus na comunidade Nova Esperança

Prefeitura de Manaus, por meio do Conselho Consultivo da Área de Proteção Ambiental (APA) Tarumã-Ponta Negra, está apoiando a implantação de projetos sustentáveis na comunidade Nova Esperança, na zona rural. Um deles é o da implantação de tanques alternativos para piscicultura de pequena escala com o objetivo de permitir que as famílias possam diversificar as atividades econômicas de baixo impacto ambiental na área. Outra finalidade é a geração de renda, por meio da instalação de tanques de superfície, desenvolvidos a partir de materiais alternativos como madeira, papelão, isopor e plástico de alta densidade.

No último dia 3/9, um grupo vindo da comunidade visitou a Estação Experimental de Aquicultura do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), onde encontram-se tanques desenvolvidos pelo laboratório, demonstrando um exemplo de tecnologia social exitosa para o cultivo de espécies, num volume de até 70 quilos de pescado, por ciclo.

A presidente do Conselho da APA Tarumã Ponta-Negra, Angeline Ugarte, ressaltou a importância da iniciativa de poder viabilizar essa alternativa para as famílias de baixa renda da margem direita do rio Tarumã-açu. “Temos o interesse de fomentar a diversificação de atividades produtivas sustentáveis, que não agridam os ecossistemas existentes na APA e que especialmente valorizem a identidade local, assim como a vocação natural para o turismo ecológico e os serviços ecossistêmicos prestados pela unidade”, afirmou Angeline.

Além da Nova Esperança, outras comunidades ribeirinhas do entorno podem ser beneficiadas. “O piloto será desenvolvido na Nova Esperança, mas pretendemos obter apoio e aporte técnico para estendermos a outras comunidades”, comentou.

Levados pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas), os agricultores puderam conhecer de perto o funcionamento de um tanque de superfície. O projeto é de autoria dos pesquisadores do Inpa Waldir Bitar França e Alexandre Honczaryk.

A Estação Experimental de Aquicultura fica situada no campus 3 do Inpa, localizado no conjunto Morada do Sol, no Aleixo. Os agricultores foram recebidos pelo pesquisador Waldir Bitar, que apresentou materiais, custos e benefícios possíveis da implantação dos tanques de superfície nas comunidades. Uma parceria deverá ser firmada entre a Semmas e o Inpa, no sentido da viabilização do suporte técnico necessário ao desenvolvimento dos primeiros tanques a serem instalados nos lotes dos comunitários.

“A produção será importante tanto para garantir a subsistência familiar quanto para a venda do pescado em pequena escala”, afirmou Angeline. Os comunitários mostraram-se entusiasmados com a nova alternativa apresentada, já que esta permite a manutenção da paisagem local, garantindo os benefícios naturais da localidade em que moram.

Após a exposição do tanque em funcionamento, os comunitários receberão visitas técnicas de reconhecimento da área feitas pelos pesquisadores do Inpa. Serão oferecidas palestras de formação nas comunidades, a fim de esclarecer dúvidas quanto ao potencial dos tanques. Cada tanque tem um custo médio de R$ 600, além do investimento em alevinos e ração, o que pode ser rateado entre os comunitários. “Vimos para aprender e sabemos que não vamos destruir a natureza do lugar onde moramos”, afirma a agricultora Rita Inês Freitas, 60.

O trabalho da Semmas é o de apresentar e subsidiar tecnicamente iniciativas do gênero, por meio da gestão da APA Tarumã-Ponta Negra. O prefeito Arthur Virgílio Neto incentiva a atuação dos conselhos gestores como instâncias de governança nas zonas urbana e rural, sobretudo nas áreas protegidas. “A participação dos segmentos sociais na condução do processo de gestão das unidades é o caminho para obtermos o desenvolvimento sustentável das mesmas. Acreditamos nisso e estamos nos mobilizando para que a participação social na gestão ambiental possa ser transversalizada, de modo que a população sinta-se sujeito nos processos decisórios e de intervenções para a qualidade ambiental”, afirmou o secretário municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Antonio Nelson de Oliveira Júnior.

Foto – Divulgação / Semmas