22/02/11 | 10:05 AM
Semmas participa de reunião interinstitucional para levantamento de áreas de risco da cidade de Manaus

Marcelo Dutra, lembrando que freqüentemente, por desconhecimento, nessas comunidades ocorrem práticas que agravam a situação de risco, a exemplo do lançamento de dejetos em voçorocas, entupimento de bueiros, impermeabilização do solo e ocupação de áreas de preservação permanente (APPs).

O grupo criado pela Prefeitura de Manaus, Companhia de Pesquisa e Recursos Minerais (CPRM) e o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) com a finalidade de desenvolver um levantamento das áreas de riscos de desastres em Manaus se reuniu na última terça-feira (15) para discutir o recém-assinado termo de convênio entre CPRM e Casa Militar no sentido de desenvolver um estudo que definirá as áreas de risco de desastres naturais por todo o território do município. A Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas) passou a integrar o grupo interinstitucional dado o interesse estratégico no tema, uma vez que este estudo é o ponto de partida para o desenvolvimento de estratégia de adaptação a fenômenos climáticos, compondo junto com o inventário de gases os dois pilares principais do Programa de Mudanças Climáticas da Prefeitura de Manaus.

“Ainda que o convênio celebrado com a prefeitura esteja naturalmente sendo capitaneado pela Defesa Civil municipal, a Semmas já vem participando de ações conjuntas com o órgão no combate dos focos de riscos da cidade e contribuirá para o desenvolvimento deste levantamento, tendo em vista a participação da Semmas no processo de educação ambiental das comunidades”, explicou o secretário municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Marcelo Dutra, lembrando que freqüentemente,  por desconhecimento, nessas comunidades ocorrem práticas que agravam a situação de risco, a exemplo do lançamento de dejetos em voçorocas, entupimento de bueiros, impermeabilização do solo e ocupação de áreas de preservação permanente (APPs), como são denominadas também as margens de igarapés e áreas alagáveis.

“Nossa intenção é incrementar a amplitude e eficácia das ações que se basearão no diagnóstico desenvolvido, produto do convênio, bem como utilizar deste como instrumento da gestão ambiental integrada do município”, explica Dutra, acrescentando que 2011 é o ano internacional de redução de riscos de desastres promovido pelas Nações Unidas. “O momento é então oportuno para que Manaus inicie de maneira ampla a identificação dos espaços que podem ocasionar um prejuízo a população reduzindo assim o risco de sinistros na cidade e mesmo de mortes”, frisou.